Letras e Utopias

Espaço Cultural

domingo, outubro 23, 2005

Os descobrimentos portugueses actualmente


William Turner (1775 - 1851), "Chichester Canal" (1828)
Capa da obra "Portugal, Hoje : O Medo de Existir" de José Gil

Utopias humanas: os descobrimentos portugueses



Portugal foi a primeira nação europeia a explorar os mares à procura de especiarias e do império global daí decorrente. A demanda começou logo em 1419, quando o infante D. Henrique, terceiro filho de D. João I e da sua mulher inglesa, Filipa, estabeleceu a sua corte em Sagres, um árido afloramento rochoso na ponta mais a sul de Portugal. Conhecido como o Navegador, o infante D. Henrique, raramente se fez ao mar; estimulou, isso sim, outros a conquistar o oceano. Os navios portugueses enfrentavam obstáculos tão esmagadores, tão envoltos em ignorância e superstição, que apenas marinheiros extraordinariamente confiantes e dotados ousavam aventurar-se no Mar Oceano, como era conhecido na altura o Oceano Atlântico.

Laurence Bergreen, "Fernão de Magalhães : Para Além do Fim do Mundo"

sexta-feira, outubro 14, 2005

Sons puros


Como primeira sugestão de música clássica escolhi esta fantástica interpretação de Brahms por parte de Pollini. Sem dúvida, um disco indispensável, através do qual se sente na plenitude a atmosfera romântica do século XIX.

sábado, outubro 08, 2005

Relações humanas



Eu minto e ela sabe que eu minto e que eu sei que ela sabe que eu minto e aceita isso sem zanga nem sarcasmo, verificou o médico. De longe em longe cabe-nos a sorte de topar com uma pessoa assim, que gosta de nós não apesar dos nossos defeitos mas com eles, num amor simultaneamente desapiedado e fraternal, pureza de cristal de rocha, aurora de maio, vermelho de Velázquez.

António Lobo Antunes, "Memória de Elefante"

segunda-feira, outubro 03, 2005

Live!


Ágil felino americano que percorre as planícies do rock 'n roll, alimentando-se de outros grandes animais como Zeppelin. A sua característica mais marcante é a capacidade de salto, algo que o leva a percorrer outros territórios como o pop ou o funk. Quando ferido sangra em português original e fluente, criando uma atmosfera dançável e libertadora do sofrimento dos restantes animais. Ao vivo parece inofensivo, mas é favor manter a devida distância.